Herdeiro da OAS morre após infarto em audiência da Lava-Jato

Ajude-nos compartilhando com seus amigos

BRASÍLIA – Herdeiro da empreiteira
OAS,
Cesar Mata Pires Filho, de 40 anos, morreu nesta quarta-feira, pouco mais de duas semanas
após ter sofrido um infarto
enquanto prestava depoimento em uma audiência no âmbito da
Operação
Lava-Jato,
em Curitiba. O pai dele, Cesar Mata Pires, um dos fundadores da empresa, também morreu após sofrer um infarto, em agosto de 2017.

INFOGRÁFICO:
Todas as fases da Operação Lava-Jato

LEIA:
Construtora OAS está perto de sair da recuperação judicial

A causa oficial da morte de Cesar Mata Pires Filho ainda não foi informada pelo hospital. Ele completaria 41 anos em setembro e estava internado desde o dia 8 de julho. Durante o depoimento,
o juiz Luiz Antonio Bonat,
que substituiu o ministro da Justiça, Sergio Moro, na 13ª Vara Federal de Curitiba, precisou deixar a sala de audiência e chamar a equipe médica da Justiça Federal. Em seguida, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) cuidou da transferência do empresário para uma unidade de saúde.

PERFIL:
Substituto de Moro é motociclista com fama de discreto e dedicado

No dia seguinte à chegada ao Hospital Santa Cruz, em Curitiba, Cesar foi submetido a uma cirurgia para implantação de dois stents (uma espécie de endoprótese usada para desobstruir artérias). A operação foi bem-sucedida e o quadro do empresário foi considerado estável após o procedimento. A situação dele piorou nos últimos dias.

Cesar era acusado de corrupção na construção de um prédio da Petrobras em Salvador. A defesa alegava que não existem provas de que o empresário tivesse cometido crimes no caso. A Lava-Jato
chegou a apreender diversos bens de luxo do empresário,
como cinco relógios Rolex e dois veículos Porsche Cayenne. Quando ele foi preso pela operação, a fiança custou R$ 29 milhões.

Item Anterior

Proximo Item

Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

O ex-presidente Lula foi preso em abril do ano passado depois de ter sido condenado no âmbito da Operação Lava-Jato pelo então juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba. Ele foi sentenciado no caso do triplex em Guarujá (SP) a uma pena de 12 anos e 1 mês de prisão, com início em regime fechado, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Em fevereiro deste ano, a juíza substituta Gabriela Hardt condenou o petista a 12 anos e 11 meses no caso do sítio de Atibaia.

Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo

O ex-presidente da Câmara foi preso em 2016. Em março do ano seguinte, ele foi condenado a 15 anos e 4 meses de prisão por lavagem, corrupção passiva e evasão de divisas. Em 2018, Cunha ainda foi condenado a 24 anos e dez meses de prisão em processo sobre desvios na Caixa. Ele está preso no Complexo Médico-Penal em Pinhais (PR).

Foto: Jorge William / Agência O Globo

O ex-ministro foi preso em junho de 2017 por suspeita de desvios na construção da Arena das Dunas, em Natal. Ele foi denunciado, mas o caso ainda não foi julgado. No ano passado, ele foi condenado junto com Eduardo Cunha por desvios da Caixa Econômica. Alves foi condenado a oito anos e oito meses de prisão por lavagem de dinheiro.

Foto: Jorge William / Agência O Globo

Em 2017, o ex-ministro foi preso em Salvador. A operação foi feita três dias depois da apreensão de R$ 51 milhões em apartamento ligado à Geddel. A prisão ocorreu na Operação Cui Bono que investiga desvios de recursos na Caixa. Em janeiro, a PGR pediu a condenação de Geddel a 80 anos de prisão por lavagem e associação criminosa.

Foto: Geraldo Bubniak / Geraldo Bubniak

O ex-governador do Rio foi preso em novembro de 2016 durante a Operação Calicute. Ele foi apontado como chefe do maior esquema de corrupção no estado. Cabral já foi condenado a mais de 180 anos de prisão e cumpre pena em Bangu. A mulher dele, Adriana Ancelmo, cumpre prisão domiciliar.

Foto: Fabiano Rocha

O ex-governador foi preso em 2018 na Operação Boca de Lobo, baseada na delação premiada de Carlos Miranda, operador financeiro de Sérgio Cabral, de quem Pezão foi vice-governador entre 2010 e 2014. Miranda disse que pagou uma mesada de R$ 150 mil para Pezão na época em que ele era vice-governador. Pezão está preso na unidade prisional da Polícia Militar em Niterói.

Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo/14-11-17

Ex-presidente da Alerj, ele foi preso em 2017 na operação Cadeia Velha, que investiga o pagamento de propinas a deputados estaduais do Rio por empresários do setor de transporte. Desde março de 2018, cumpre prisão domiciliar devido a motivos de saúde. Picciani foi acusado de receber de Cabral uma mesada de R$ 400 mil entre 2011 e 2014.

Foto: Márcio Alves/31-05-2016

O ex-presidente da Alerj foi mais um dos alvos da Operação Cadeia Velha, em 2017. Ele segue preso por sua participação no esquema de pagamento de propinas a deputados estaduais do Rio por empresários do setor de transporte. Ele foi denunciado pelo caso, mas o processo ainda não teve sentença. Ele ainda foi denunciado na Operação Furna da Onça.

Foto: Jorge William / Agência O Globo (27/06/2018)

O ex-ministro foi preso em 2015 quando cumpria pena do caso do Mensalão. Ele ficou no Complexo Médico-Penal em Pinhais (PR) até 2017 quando obteve habeas corpus para aguardar o julgamento em liberdade. Mais tarde, foi condenado a 30 anos e 9 meses de prisão. Ele aguarda julgamento no STJ em liberdade, com tornozeleira eletrônica.

Foto: Reprodução

O ex-ministro de Dilma e de Lula foi preso em 2016. Ele foi condenado a 9 anos e dez meses de prisão por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por recebimento de propina da Odebrecht. Desde novembro, ele passou a cumprir pena em regime semiaberto domiciliar com tornozeleira eletrônica.

A notícia da morte abalou profundamente a família, principalmente seus irmãos Antonio Carlos Mata Pires, que também atuou na construtora, e Fernanda Mata Pires Morari. Há pouco mais de um mês, Cesar tinha acabado de ter o seu primeiro filho homem. Ele também era pai de duas filhas, uma de cinco anos e outra de sete.

Cesinha, como era conhecido, teve uma criação rígida e foi preparado desde cedo por seu pai para assumir o império empresarial da OAS. Sua mãe, Tereza Magalhães, é filha do ex-senador Antonio Carlos Magalhães, seu avô materno.

‘Situação desesperadora’

Atualmente
em recuperação judicial,
a OAS tem acumulado sucessivas dívidas e corre risco real de falir. Interlocutores da empresa afirmam que o avanço das investigações, aliadas à crise financeira da empresa, abalaram fortemente a Cesar Filho nos últimos meses e eram fatores que teriam contribuído para seu infarto. 

— Para um jovem de 40 anos, ter perdido o pai no meio de uma tempestade, ser processado pela Lava-Jato, com uma falência às portas e pressões de todos os lados, era uma situação desesperadora — afirma um deles.

LEIA:
Em investigação sobre prédio da Petrobras, Lava-Jato efetua bloqueio de R$ 150 milhões

Outros sócios e ex-diretores da OAS também têm enfrentado dificuldades. A começar pelo ex-presidente da empresa Léo Pinheiro, que está preso desde setembro de 2016 na carceragem da PF em Curitiba e, após longas negociações, conseguiu assinar um acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República, mas que até hoje está parado. 

Fonte: https://oglobo.globo.com/brasil/2019/07/25/3046-herdeiro-da-oas-morre-apos-infarto-em-audiencia-da-lava-jato

Ajude-nos compartilhando com seus amigos