Fernando de la Rúa, ex-presidente argentino, morre

Ajude-nos compartilhando com seus amigos

O ex-presidente argentino Fernando de la Rúa, de 81 anos, morreu nesta terça-feira (9), em um hospital na cidade de Escobar, na província de Buenos Aires, de acordo com a imprensa local. Ele tinha sido hospitalizado em estado grave na segunda-feira (8) com problemas cardíaco e renal. De la Rúa, que foi presidente da Argentina entre 1999 e 2001, enfrentou vários problemas de saúde nos últimos anos. Ele precisou passar por cirurgias, uma delas na bexiga, além de uma angioplastia e da colocação de dois stents. Ele foi visto em público pela última vez em um jantar em dezembro do ano passado. Fernando de la Rúa, ex-presidente argentino, morre ao 81 anos O governo argentina decretou três dias de luto nacional pela morte do ex-presidente, porém as diversas cerimônias públicas por causa do Dia da Independência, comemorado nesta terça, estão mantidas. O corpo será velado no Salão dos Passos Perdidos do Congresso Nacional. Uma vez concluída as homenagens públicas, o caixão será levado a uma sala de velório do bairro portenho de Núñez para depois ser enterrado na cidade de Pilar, na província de Buenos Aires. “Lamentamos a morte do ex-presidente Fernando de la Rúa. Sua trajetória democrática merece o reconhecimento de todos os argentinos”, declarou o presidente Mauricio Macri. O ex-presidente nasceu em 15 de setembro de 1937, na província de Córdoba. Ele estudou no Liceo Militar de Córdoba e se formou advogado aos 21 anos. Filiado à União Cívica Radical (UCR), De la Rúa teve uma longa carreira política. Aos 35 anos de idade, em 1973, foi senador pela capital federal, tradicionalmente um distrito antiperonista e onde consolidou sua carreira como deputado (1991-1992) e três vezes senador (1973-1976, 1983-1989 e 1992-1996). Em 1996, foi o primeiro prefeito de Buenos Aires eleito por voto direto, cargo até então designado pelo presidente, e seu trampolim para a Casa Rosada. Fernando De la Rúa recebe faixa presidencial de Carlos Menem em 10 de dezembro de 1999 — Foto: Gerardo Horovitz/ AP O ponto mais alto da trajetória na vida pública veio em 1999, quando, aos 62 anos, foi eleito presidente do país para um mandato de quatro anos. Ele sucedeu o peronista histriônico Carlos Menem (1989-1999), que colocou em prática políticas neoliberais. Para chegar ao poder, contou com o apoio de coalizão de centro-esquerda e se apresentava como “a força moral contra a frivolidade e o engodo”. Presidente Fernando de la Rúa deixa a sede do governo da Argentina, após apresentar sua renúncia, em 20 de dezembro de 2001 — Foto: Daniel Luna/ AP De la Rúa tinha tom austero e dirigiu o país de forma pouco carismática. Durante sua gestão, ele lidou com uma das maiores crises econômicas e políticas da história da Argentina. Em 2001, na esperança de conter a crise, De la Rúa convocou o ex-ministro da Economia Domingo Cavallo, responsável pela economia no período Menem e mentor da conversibilidade com paridade cambial entre o peso e o dólar, lançada em 1991. A gestão da dívida do governo e o bloqueio de depósitos (chamado ‘corralito’), ajudados pela oposição peronista, empurraram o seu governo para o abismo. Após sua saída da presidência, a Argentina declarou default. De la Rúa se considerou vítima de um “golpe civil” seguido de “intensa perseguição judicial, midiática e política”, como escreveu em seu livro “Operação Política: A Causa do Senado”. Nos dias 19 e 20 de dezembro de 2001, eclodiu uma revolta popular, cuja repressão deixou mais de 30 mortos no país, cinco deles na Plaza de Mayo, no centro de Buenos Aires. De la Rúa deixou a Casa Rosada de helicóptero, após assinar sua renúncia. Na época, essa imagem percorreu o mundo. Casado com Inés Pertiné – neta, filha e irmã de militares-, teve três filhos, Agustina, Antonio e Fernando.

Fonte: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/07/09/morre-ex-presidente-argentino-fernando-de-la-rua.ghtml

Ajude-nos compartilhando com seus amigos